O EXCESSO DE CORRESPONDÊNCIA: UM EXPERIMENTO COM AUDITORES NO CONTEXTO BRASILEIRO

  • Marcos Gonçalves Avila Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de janeiro
  • Michel Cohen

Resumo

Um experimento foi conduzido a partir do plano de referência conceitual associado à teoria da inferência correspondente. Especificamente, o interesse deste trabalho foi o de investigar a existência do viés de julgamento denominado excesso de correspondência. Esse viés se refere à tendência das pessoas de, ao tentarem explicar as causas para o comportamento que observam em outras pessoas, superestimar a influência de causas internas (características pessoais) e subestimar a influência de causas externas (fatores situacionais). No experimento, os participantes (auditores do Tribunal de Contas da União - TCU) foram instruídos a estimar a posição real de um gestor fictício a respeito do tema Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), depois de ler um texto escrito pelo gestor, onde ele expressava opinião a respeito do tópico. As variáveis independentes do estudo foram posição do texto (favorável ou contrária ao RDC) e contexto, isto é, liberdade de escolha por parte do gestor quanto à posição a ser assumida no texto (com liberdade de escolha ou sem liberdade de escolha). Os participantes do experimento foram informados previamente à leitura do texto escrito pelo gestor sobre o contexto em que o texto havia sido preparado. A hipótese principal de pesquisa (confirmada no experimento) foi de que os auditores incorreriam no excesso de correspondência, isto é, eles julgariam a posição real do gestor em relação ao tema em função da posição descrita no texto, independente do gestor ter tido escolha em expressar àquela posição.

Biografia do Autor

Marcos Gonçalves Avila, Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de janeiro

Professor Associado,

Área de Finanças e Controle gerencial

Insituto COPPEAD de Administração

Publicado
2018-09-03