POR ONDE ANDEI: ADMINISTRAÇÃO, ESTUDOS ORGANIZACIONAIS E ALGUMAS OBSESSÕES...

  • Pedro Lincoln Carneiro Leão de Mattos Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Administração e Estudos Organizacionais, Pesquisa teórica e prática profissional, Epistemologia construtivista, Pragmática da linguagem, Sentido social da academia.

Resumo

O depoente, um professor aposentado, narra como sua carreira acadêmica foi precedida e marcada por atividades de prática gerencial, onde deitou raízes. Afastou-se de uma linha institucional racionalizante da administração para aproximar-se da teoria organizacional que, no Brasil, dominou a área a partir do anos 1990. Mas, por formação e interesses de pesquisa, a epistemologia e o método foram o centro de seus trabalhos e preocupações. Entre estas, o lugar da teoria na pesquisa, no ensino e na prática profissional da administração foi questão que veio a associar-se ao tema clássico da correspondência entre linguagem e mundo, aqui projetado entre elaboração teórica e contextos decisórios singulares. Posiciona-se pela pragmática da linguagem e a epistemologia construtivista e vê aí solução para aquelas questões, abrindo espaço para criatividade radical, superação de determinismos e construção da identidade da área. Termina por manifestar preocupações éticas com o sentido social da vida e trabalho acadêmicos.

Biografia do Autor

Pedro Lincoln Carneiro Leão de Mattos, Universidade Federal de Pernambuco
Pós-Doutor pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Ph.D. pela London School of Economics. Professor Titular Aposentado da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

BACHELARD, Gaston. A Formação do Espírito Científico – contribuição para a psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1976 [1938].
BARNARD, C. The Functions of the Executive. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1938.
BEGER, P. L.; LUCKMANN, T. The Social Construction of Reality. NY: Doubleday Anchor, 1967.
BENJAMIN, Walter B. S. On The Concept of History (Theses on the Philosophy of History). New York: Classic Books America, 2009.
BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral. Campinas: Pontes, 1991 [1966-1974].
BERGER, P.; LUCKMAN, T. The Social Construction of Reality. New York.: Doubleday Anchor, 1967.
BLOOR, D. Wittgenstein: a Social Theory of Knowledge (Traditions in Social Theory). London: Mcmillan, 1983.
BOER, K.; SONDEREGGER, R., (eds.). Conceptions of Critique in Modern and Contemporary Philosophy. NY: Palgrave Mcmillan, 2012.
BRUYNE, Paul de, HERMAN, Jacques, SCHOUTHEETE, Marc de. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os polos da prática metodológica. 5.ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.
BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis. London: Heinemann, 1979.
CAPRA, Fritjof. As Conexões Ocultas: Ciência para uma Vida Sustentável. São Paulo: Pensamento-Cultrix, 2002.
CLEGG, S.; HARDY, C; NORD, W. Handbook of Organizational Studies. London: Sage, 1996.
DAVIDSON, D. Inquiries into Truth and Interpretation. Oxford: Claredon Press, 2001 [1984].
DEMO, P. Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, 1980.
DEMO, P. Professor Autor. São Paulo: Compacta, 2008.
DOWNS, A. Inside Beaurocracy. Boston: Little, Brown & Company, 1966.
DUCROT, O. Princípios de Semântica Linguística (dizer e não dizer). São Paulo: Cultrix, 1979.
FLECK, L. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010 [1979].
FOERSTER, Heinz von. Visão e conhecimento: disfunções de segunda ordem. In: SCHNITMAN, D. F. (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 59-74.
FOUCAULT, M. As Palavras e as Coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1981 [1966].
FOUCAULT, M. The Politics of Truth. Los Algeles: Semiotext, 2007 [1997].
FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 9. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007 [1966].
FRITZPATRICK, K. Planned Obsolescence: publishing, technology and the future of the academy. New York: New York University Press, 2011.
GERGEN, K. J. Realities and relationships. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1997.
HABERMAS, J. Pensamento Pós-Metafísico: Estudos Filosóficos. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990 [1988].
HABERMAS, J. Teoría de la Acción Comunicativa: Complementos y Estudios Previos. Madrid: Cátedra, 1997. Lecciones sobre una fundamentación de la sociologia en términos de teoría del lenguaje (1970/1971). Tercera Lección.
HABERMAS, J. Teoria do Agir Comunicativo. 2v. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
HANIKA, Francis de Paula. Guia moderno da administração. 2. ed. rev. Rio de janeiro: Forense-Universitária, 1974.
KAHN, Charles H. Sobre o verbo grego ser e o conceito de ser. Cadernos de Tradução. Rio de Janeiro: PUC-Rio, [2001?]. p. 155-196
KUHN, T. A Estrutura das Revoluções Científicas. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1978 [1962].
LAKOFF, G; JOHNSON, M. Metaphors we live by. Chicago: The Chicago University Press, 1980.
LATOUR, B. A Esperança de Pandora. Bauru, SP: EDUSC, 2001.
LYOTARD, Jean-François. The post-modern condition: a report on knowledge. Minneapolis: University of Minnesota, 1984.
MEAD, G. H. Mind, Self and Society. Chicago: University of Chicago Press, 1934.
MEZIROW, J. Transformative dimensions of adult learning. San Francisco: Jossey-Bass, 1991.
MORGAN, G. Images of Organizations. London: Sage, 1984.
MORGAN, G. Images of Organizatios, the Executive Edition. London: Sage, 1998.
MORIN, E. O Método. 5v. Porto Alegre: Sulina, 1999-2002.
MOURA, Guilherme Lima. Ressignificações Linguístico-pragmáticas na Literatura de Formação Profissional sobre Teoria Organizacional: Indexando Fragilidades. (Tese de Doutorado) Universidade Federal de Pernambuco, 2009.
OLIVEIRA, M. Reviravolta linguístico-pragmática na filosofia contemporânea. São Paulo: Loyola, 1996.
OSTRENG, W. Science Without Bounderies: Interdisciplinarity in Research, Society, and Politics. Lanham, Maryland: University Press of America, 2010.
POPPER, K. Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária. Belo Horizonte: Itatiaia/USP, 1975.
POPPER, K. Conjectures and refutations: the growth of scientific knowledge. 4. ed. London: Routledge & Kegan Paul 1985 [1963].
POPPER, K. R. A lógica da pesquisa científica. 12. ed. São Paulo: Cultrix, 2006 [1934].
PRESSMAN, J.; WILDAVSKY, A. Implementation: how great expectations in Washington are dashed in Oakland. Berkley, Los Angeles: UCLA, 1973.
PRIGOGINE, I. La Fin des certitudes. Paris: Odile Jacob, 1996.
QUINE, W. V. O. Word and Object (Studies in Communication). Cambridge, MA: MIT, 1960].
REHG, W. Cogent Science in Context: The Science Wars, Argumentation Theory, and Habermas. Cambridge, MA: The MIT Press, 2009.
RORTY, R. Philosophy and Social Hope. London: Penguin Books, 1999.
RORTY, R. The Linguistic Turn: essays in philosophical method. Chicago: The Chicago University Press, 1967.
RORTY, Richard. A Filosofia e o espelho da natureza. Rio de Janeiro: Relume - Dumará, 1994.
RÜDIGER, Francisco. Introdução às teorias da cibercultura. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2004.
SANTOS, Boaventura de S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. v.1. São Paulo: Cortez, 2000. p. 55-94.
SANTOS, Boaventura dos S. Um discurso sobre as ciências na transição para a ciência pós moderna. Estudos Avançados, [...], 1989. p. 46-71.
SCOTT, W. R. Institutions and Organizations: Ideas, Interests, and Identities. 4. ed. London: Sage, 2014.
SEARLE, J. R. Expression and Meaning: Studies in the Theory of Speech Acts. Cambridge: CUP, 1979.
SILVERMAN, D. The Theory of Organizations: a Sociological Framework. New York: Basic Books, 1971.
VAN de VEN, Andrew H. Nothing is quite so practical as a good theory. The Academy of Management Review, v. 14, n. 4, October 1989, p. 486-489.
WEICK, Karl E. Theory construction as disciplined imagination. Academy of Management Review, v. 14, n. 4, October 1989, p. 516-531.
WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. São Paulo: Nova Cultural, 1996 [1936-1951]. (Os pensadores)
WITTGENSTEIN, Ludwig. The blue and Brown Books: preliminary studies for the ‘Philosophical Investigations’. New York: Harper Torchbooks, 1958 [1933-1935].
ZUCKER, L. G. The role of institutionalization in cultural persistence. American Sociological Review, v. 42, n. 5 (Oct., 1977) p. 726-743.
Publicado
2015-08-04
Seção
Depoimentos