SERES DO SUBTERRÂNEO: OS INVISÍVEIS DO MUNDO MODERNO

  • Felipe Amaral Borges Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Ketlle Duarte Paes Professora da Universidade Federal do Rio Grande
Palavras-chave: sociologia das ausências, sociologia das emergências, pedagogia do oprimido, estudos organizacionais.

Resumo

Este ensaio faz parte de um conjunto de estudos que discute o uso de abordagens influenciadas pelo pensamento único, fundamentadas no paradigma funcionalista, como lentes para compreender práticas sociais atravessadas por múltiplas racionalidades. Neste ensaio partimos dessa preocupação e buscamos marcos teóricos não-ortodoxos em Estudos Organizacionais. Para tanto, mobilizaremos as abordagens teóricas propostas por Boaventura Santos e Paulo Freire com o objetivo de lançar luz às ausências sociais produzidas ativamente pela razão indolente no campo disciplinar dos Estudos Organizacionais. Com o seu formato ensaístico, o leitor não deve esperar conclusões sólidas, comprovações claras ou certezas tranquilizadoras. A partir daí se pode inferir que as abordagens aqui propostas nos ajudam nos atos de denúncia das ausências artificialmente produzidas, bem como nos atos anúncios de outras sociabilidades, abrindo espaço assim, para o reconhecimento do novo, do que está em construção, e do que ainda não é.

Biografia do Autor

Felipe Amaral Borges, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutorando do programa de pós-graduação em administração da universidade federal do Rio Grande do Sul
Ketlle Duarte Paes, Professora da Universidade Federal do Rio Grande
Professora na área de administração da Universidade Federal do Rio Grande

Referências

Adorno, T. W. (2003). O ensaio como forma. In: T. W. Adorno. Notas de Literatura I (pp. 15-45). São Paulo: Editora 34.

Agamben, G. (1993). A comunidade que vem. Lisboa: Presença.

Al-Arab, M. & Hunt, N. (2011). How a fruit seller caused revolution in Tunisia. Recuperado em 5 fevereiro, 2013, de: http://edition.cnn.com/2011/WORLD/africa/01/16/tunisia.fruit.seller.bouazizi/index.html.

Alves, G. (2012). Ocupar Wall Street... e depois? In: D. Harvey, E. Teles & E. Sader. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas (pp. 31-38). São Paulo: Boitempo/Carta Maior.

Barrento, J. (2012). Limiares: sobre Walter Benjamin. Florianópolis: UFSC.

Benjamin, W. Gesammelte Schriften I, 3. In: R. Tiedemann & H. Schweppenhäuser. (Eds.). Berlin: Surhrkamp Verlag, 1974 apud Gagnebin, J. M. (2007). História e narração em Walter Benjamin (2a ed.). São Paulo: Perspectiva.

Boeira, S. L., Simon, V. S. P., Leal, J. V. N., & Rezende, G. M. (2012). Reflexão sobre aspectos teóricos e epistemológicos da produção nacional relativa ao cooperativismo. Anais do Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração, Florianópolis, SC, Brasil, II.

Böhm, S. (2006). Repositioning organization theory: impossibilities and strategies. Basingstoke: Palgrave.

Brum, E. (2013). Perdão, Aaron Swartz. Recuperado em 25 janeiro, 2013, de: http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/eliane-brum/noticia/2013/01/perdao-aaron-swartz.html.

Byrne, E. (2011). Death of a street seller that set off an uprising. Recuperado em 5 fevereiro, 2013, de: http://www.ft.com/intl/cms/s/0/6ed028a2-21a2-11e0-9e3b-00144feab49a.html#axzz2KXR7hNUu.

Carneiro, H. S. (2012). Apresentação – Rebeliões e ocupações de 2011. In: D. Harvey, E. Teles & E. Sader. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas (pp. 7-14). São Paulo: Boitempo/Carta Maior.

Chanlat, J.-F. (1999). Ciências Sociais e management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas.

Clegg, S. (1998). As organizações modernas. Lisboa: Celta Editora/Oeiras.

Clegg, S. (1992). Tecnologia, Instrumentalidade e Poder nas Organizações. Revista de Administração de Empresas, 32(5), 68-95.

Davis, M. (2012). Chega de chiclete. In: D. Harvey, E. Teles & E. Sader. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas (pp. 39-44). São Paulo: Boitempo/Carta Maior.

Derrida, J. (1991). Margens da filosofia. São Paulo: Papirus.

Derrida, J. (1967). A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva.

Dussel, E. (2004). Ética de la liberación. (Hacia el “punto de partida” como ejercicio de la “razón ética originaria”). In: E. Dussel & K.-O. Appel. Ética del discurso. Ética de la liberación (pp. 43-72). Madrid: Trotta.

Deleuze, G. & Guattari, F. (2014). Kafka: por uma literatura menor. Lisboa: Assírio & Alvim.

Faria, J. H. (Org.). Análise critica das teorias e práticas organizacionais. São Paulo: Atlas.

Foucault, M. (1996). O anti-Édipo: uma introdução à vida não fascista. Cadernos de Subjetividade, 4(n.spe.), 177-200.

Freire, P. (2011). A pedagogia do oprimido (50a ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Gagnebin, J. M. (2007). História e narração em Walter Benjamin (2a ed.). São Paulo: Perspectiva.

Greenwald, G. (2010). The inhumane conditions of Bradley Manning’s detention. Recuperado em 5 fevereiro, 2013, de: http://www.salon.com/2010/12/15/manning_3/.

Guattari, F. & Rolnik, S. (2000). Micropolíticas. Cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes.

Heffernan, V. (2013). Aaron Swartz, 1986-2013: a computer hacker who is now a political martyr. Recuperado em 7 fevereiro, 2013, de: http://news.yahoo.com/what-we-learned-from-aaron-swartz-s-suicide-004332081.html.

Islam, G. (2012). Can the subaltern eat? Anthropophagic culture as a Brazilian lens on post-colonial theory. Organization, 19(2), 159-180.

Kafka, F. (1998). Josefina, a Cantora ou O Povo dos Camundongos. In: F. Kafka. Um artista da fome / A construção (pp. Xxx-xxx). São Paulo: Companhia das Letras,.

Kalberg, S. (1980). Max Weber's types of racionality: cornestones for the analysis of racionalization processes in history. American Journal of Sociology, 85(5), 1145-1179.

Levs, J. (2011). Self-immolation reports spread through north Africa. Recuperado em 5 fevereiro, 2013, de:
Laclau, E. (2013). A razão populista. São Paulo: Três Estrelas.
Meneghetti, F. K. (2011). O que é um Ensaio-Teórico? Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 320-332.

Misoczki, M. (2010). Das práticas não-gerenciais de organizar à organização para a práxis da libertação. In: M. Mizoczki, R. Flores & J. Moraes (Orgs.). Organização e práxis libertadora (pp. 13-56). Porto Alegre: Dacasa.

Misoczky, M. C. A., Flores, R. K., & Silva, S. M. G. (2008). Estudos organizacionais e movimentos sociais: o que sabemos? Para onde vamos? Cadernos EBAPE.BR, 6(3), 1-14.

Misoczki, M. & Goulart, S. (2010). A quem pertence o conhecimento que produzimos? In: M. Mizoczki, R. Flores & J. Moraes (Orgs.). Organização e práxis libertadora (pp. 209-232). Porto Alegre: Dacasa.

Mueller, S. P. M. (2006). A comunicação científica e o movimento de acesso livre ao conhecimento. Ciência da Informação, 35(2), 27-38.

Paes, K. D. & Dellagnelo, E. H. L. (2015). O sujeito na epistemologia lacaniana e sua implicação para os estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, 13(3), 530-546.

Parker, M. (2002). Against management: organization in the age of managerialism. Cambridge: Polity.

Paula, A. P. P. (2013). Abordagem freudo-frankfurtiana, pesquisa-ação e socioanálise: uma proposta alternativa para os estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, 11(4), 520-542.

Paula, A. P. P. (2012). Estilhaços do real: o ensino da administração em uma perspectiva benjaminiano. Curitiba: Juruá.

Paula, A. P. P. (2008). Teoria Crítica nas organizações. São Paulo: Thomson Learning.

Paula, A. P. P. (2002). Tragtenberg revisitado: as inexoráveis harmonias administrativas e as burocracias flexíveis. Revista de Administração Pública, 36(1), 127-144.

Prestes Motta, F. C. (1981). Burocracia e autogestão: a proposta de Proudhon. São Paulo: Brasiliense.

Prestes Motta, F. C., Vasconcelos, I., & Wood Jr., T. (2000). O novo sentido da liderança: controle social nas organizações. In: T. Wood JR. (Org.). Mudança organizacional: aprofundando temas atuais em administração de empresas (2a ed.) (pp. 119-151). São Paulo: Atlas.

Reed, M. (1999). Teorização organizacional: um campo historicamente contestado. In: S. Clegg, C. Hardy., & W. W. Nord (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais (pp. 61-98). São Paulo: Atlas.

Sanchez, A. (2012). Um desempregado, um bolseiro e uma estagiária inventaram o Protesto da Geração à Rasca. Recuperado em 7 fevereiro, 2013, de: http://www.publico.pt/sociedade/noticia/um-desempregado-um-bolseiro-e-uma-estagiaria-inventaram-o-protesto-da-geracao-a-rasca-1482270.

Santos, B. S. (2004). O futuro do Fórum Mundial Social: o trabalho da tradução. Revista OSAL, 15(1), 77-90.

Santos, B. S. (2002). Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, 237-280.

Seremani, T. W. & Clegg, S. (2016). Postcolonialism, organization, and management theory: the role of “epistemological third spaces”. Journal of Management Inquiry, 25(2), 1-13.

Silva, R. C. (2003). Controle organizacional, cultura e liderança; evolução, transformações e perspectivas. Revista de Administração Pública, 37(4), 797-816.

Silva, R. C. & Alcadipani, R. (2004). As transformações do controle na siderúrgica riograndense - uma análise foucaultiana. Organizações & Sociedade, 11(29), 81-96.

The Economist. (2013). Commons man. Recuperado em 5 fevereiro, 2013, de:
Souza, E. M. (2017). A teoria queer e os estudos organizacionais: revisando conceitos sobre identidade. Revista de Administração Contemporânea, 21(3), 308-326.

Souza, E. M. (2012). Pós-modernidade nos estudos organizacionais: equívocos, antagonismos e dilemas. Cadernos EBAPE.BR, 10(2), 270-283.

Souza, E. M., Souza, S. P., & Silva, A. R. L. (2013). O pós-estruturalismo e os estudos críticos de gestão: da busca pela emancipação à constituição do sujeito. Revista de Administração Contemporânea, 17(2), 198-217.

Teixeira, J. C., Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2015). Os lugares das empregadas domésticas. Organizações & Sociedade, 22(72), 161-178.

Tutu, D., Corrigan-Maguire, M., & Esquivel, A. P. (2012). Bradley Manning deserves Americans' support for military whistleblowing: Thanks to WikiLeaks, US citizens are better informed about wars prosecuted in their name. We owe Manning honour, not jail time. Recuperado em 5 fevereiro, 2013, de:
Wood Jr, T. & Caldas, M. P. (1995). Quem tem medo de Eletrochoque? Identidade, terapias convulsivas e mudança organizacional. Revista de Administração de Empresas, 35(5), 13-21.

Wood Jr, T. & Urdan, F. T. (1994). Gerenciamento da Qualidade Total: uma Revisão Crítica. Revista de Administração de Empresas, 34(6), 46-59.

Zanatta, R. A. (2013). Aaron Swartz, guerrilheiro da internet livre. Recuperado em 5 fevereiro, 2013, de: http://revistaforum.com.br/blog/2013/01/aaron-swartz-guerrilheiro-da-internet-livre/.

Žižek, S. (2012). O violento silêncio de um novo começo. In: D. Harvey, E. Teles & E. Sader. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas (pp. 15-26). São Paulo: Boitempo/Carta Maior.
Publicado
2018-07-24
Seção
Ensaios