SOCIEDADE DE DECRESCIMENTO: UMA RESPOSTA PARA O DESENVOLVIMENTO (IN)SUSTENTÁVEL?

  • Luiz Gustavo Alves de Lara Universidade Positivo Universidade Estadual do Centro Oeste
  • Samir Adamoglu de Oliveira Universidade Federal da Paraíba / Departamento de Administração, João Pessoa – PB, Brasil Universidade Positivo / Programa de Mestrado e Doutorado em Administração, Curitiba – PR, Brasil Pesquisador Associado do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Sociais (IBEPES), Curitiba – PR, Brasil

Resumo

Nosso objetivo é ensaiar uma crítica à sociedade produtivista que discursa a possibilidade de desenvolvimento sustentável indissociado de crescimento econômico. Sustentamos a importância da sociologia ambiental aos estudos organizacionais, apontando contradições da lógica desenvolvida com base na sociologia positivista que distanciou o homem da natureza. Provocamos sobre a possibilidade uma sociedade de não crescimento, que por si destitui a lógica da busca do crescimento econômico ilimitado como motor do desenvolvimento da sociedade. Seria o decrescimento proposto por Schumacher (1983) e Serge Latouche (2009) uma via possível no mundo atual ou apenas mais uma onda a idealizar romanticamente um mundo possível frente ao prognóstico sócio ambiental pessimista anunciado por MEADOWS et al (2007) desde 1972 no clube de Roma? 

Biografia do Autor

Luiz Gustavo Alves de Lara, Universidade Positivo Universidade Estadual do Centro Oeste
Doutorando em Administração pelo PMDA/UP. Professor Colaborador no DEADM/UNICENTRO, Irati, PR, Brasil.
Samir Adamoglu de Oliveira, Universidade Federal da Paraíba / Departamento de Administração, João Pessoa – PB, Brasil Universidade Positivo / Programa de Mestrado e Doutorado em Administração, Curitiba – PR, Brasil Pesquisador Associado do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Sociais (IBEPES), Curitiba – PR, Brasil

Doutor em Administração pelo PPGADM-UFPR. Professor adjunto no DADM-UFPB, João Pessoa, PB, Brasil. Professor colaborador no PMDA/UP,
Curitiba, PR, Brasil. Pesquisador associado do IBEPES, Curitiba - PR, Brasil.

Referências

Adorno, T. W. (2009). Dialética negativa. São Paulo: UNESP.

Dunlap, R. E., Buttel, F. H., Dickens, P., & Gijswijt, A. (Eds.). (2001). Sociological theory and the environment: classical foundations, contemporary insights. Rowman & Littlefield Publishers.

Bottomore, T. B. (1976). A sociologia como critica social. Rio de Janeiro: Zahar.

Buttel, F. H. (2010). Social institutions and environmental change. In: M. R. Redclift & G. Woodgate. The international handbook of environmental sociology (pp. 33-47). Cheltenham: Edward Elgar.

Catton, W. R. &. Dunlap, R. (1978a). Environmental sociology: a new paradigm. The American Sociologist, 13, 41-49.

Catton, W. R. &. Dunlap, R. (1978b). Paradigms, Theories, and the Primacy of the HEP-NEP Distinction. The American Sociologist, 13, 256-259.

Comissão de Brundtlan. (1987). Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento: o nosso futuro comum (2a ed.). Nova Iorque: Universidade de Oxford/Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Douthwaite, R. (1992). The growth illusion. Dublin: Lilliput Press.

Esteva, G. (2000). Desenvolvimento. In: W. Sachs (Ed.). Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder (pp. 59-83). Petropolis: Vozes.

Ferreira, L. C. (2006). Ideias para uma sociologia da questão ambiental no Brasil. São Paulo: Annablume.

Giddens, A. (1979). Central problems in social theory: action, structure and contradiction in social analysis. London: Macmillan.

Gómez, J. M. (2002). Crítica ao conceito de desenvolvimento. Pegada – A Revista da Geografia do Trabalho, 3(1), s.p.

Gross, M. (2000). Classical sociology and the restoration of nature: the relevance of Émile Durkheim and Georg Simmel. Organization & environment, 13(3), 277-291.

Grossi, M. A. (2009). Capitalismo e questão ambiental: contribuições da tradição marxista. Libertas, 3(2), 33-56.

Habermas, J. (2001). Conhecimento e interesse. In: J. Habermas. Técnica e ciência como ideologia (pp. 129-147). Lisboa: edições 70.

Illich, I. (2000). Necessidades. In: W. Sachs (Ed.). Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder (pp. 155-172). Petropolis: Vozes.

Lara, L. G. A. & Adamoglu de Oliveira, S. (2017). A ideologia do crescimento econômico e o discurso empresarial do desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, 15(2), 326-348.

Latouche, S. (2009). Pequeno tratado do decrescimento sereno. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Latouche, S. (2006). O desafio do decrescimento. Lisboa: Instituto Piaget.

Latouche, S. (1994). A ocidentalização do mundo. Petrópolis: Vozes.

Lenzi, C. L. (2007). Sociologia Ambiental e a controvérsia sobre os Clássicos. Anais do Congresso Brasileiro de Sociologia, Recife, PE, Brasil, XIII.

Marconatto, D. A. B., Trevisan, M., Pedrozo, E. A., Saggin, K. D., & Zonin, V. J. (2013). Saindo da trincheira do desenvolvimento sustentável: uma nova perspectiva para a análise e decisão em sustentabilidade. Revista de Administração Mackenzie, 14(1), 15-43.

Marx, K. (2002). O capital: crítica da economia política – Livro I (20a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Mcreynolds, S. A. (1999). Guia para o iniciante em sociologia do meio ambiente: definição, lista de jornais e bibliografia. Ambiente & Sociedade, 5, 181-189.

Meadows, D. H., Randers, J., & Meadows, D. (2007). Limites do cresci¬mento: a atualização de 30 anos. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Norman, W. & Macdonald, C. (2004). Getting to the bottom of the Triple Bottom Line. Business Ethics Quarterly, 14(2), 243-262.

Oliveira, J. A., Simão, V. A,, & Silva, A. J. (2004). Sociologia ambiental. Revista de Administração da Unimep, 2(3), 140-152.

Rezende, C. (1997). História econômica geral. São Paulo: Contexto.

Santos, M. (2000). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record.

Schumacher, E. F. (1983). O negócio é ser pequeno (4a ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

Seifert, R. E. & Vizeu, F. (2015a). Crescimento organizacional: uma ideologia gerencial? Revista Administração Contemporânea, 19(1), 127-141.

Seifert, R. E. & Vizeu, F. (2015b). Tréplica – Davi e Golias: possibilidades de ruptura ao gigantismo em Estudos Organizacionais e de Gestão. Revista de Administração Contemporânea, 19(1), 160-168.

Shamir, R. (2005). Mind the gap: commodifying corporate social responsi¬bility. Symbolic Interaction, 28(2), 229-253.

Vizeu, F., Meneghetti, F. K., & Seifert, R. E. (2012). Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, 10(3), 569-583.

Wanner, T. (2015). The new ‘passive revolution’ of the green economy and growth discourse: maintaining the ‘sustainable development’ of neo¬liberal capitalism. New Political Economy, 20(1), 21-41.

Weber, M. (1987). Conceitos centrais em Sociologia. São Paulo: Moraes.
Publicado
2018-07-24
Seção
Dossiê "Organizações Alternativas e Contra Hegemônicas"