PARA ALÉM DA DOS LIMITES DA ORGANIZAÇÃO FORMAL COMO OBJETO: A DISCUSSÃO DE REFERÊNCIAS RENEGADAS

  • Carlos Gabriel Eggert Boehs Universidade Positivo
Palavras-chave: organizações alternativas, organizações formais, organizações burocráticas, modos de organizar, estudos organizacionais

Resumo

A partir de uma abordagem teórica, refletimos sobre a hegemonia da organização formal/burocrática nos estudos organizacionais. Resgatamos a construção teórica do conceito de organização e apresentamos questionamentos sobre a forma hegemônica com que os EOR (Estudos Organizacionais) privilegiaram a organização formal burocrática. Argumentamos sobre a necessidade e a importância de criar espaços para estudar, investigar e aprender com diferentes formas de organizar. Concluímos que a possibilidade de identificar as organizações que vão além do modelo formal/burocrático representa um esforço que deve perseguido para avanço deste campo de investigação. Nossa proposta é reconhecer como no âmbito das pesquisas sociais que não restringem seu escopo de investigação às organizações formais burocráticas, é possível descortinar um universo de possibilidades que são latentes em certos campos acadêmicos mas integram uma realidade concreta da sociedade, tais como organizações comunitárias tradicionais e organizações familiares.

Biografia do Autor

Carlos Gabriel Eggert Boehs, Universidade Positivo
Doutor em Administracao pela Universidade Positivo, Mestre em Administracao pela Universidade Federal do Parana

Referências

Abbott, A. (2009). Organizations and the Chicago School. In: P. Adler. The Oxford Handbook of sociology and organization studies – classical foundations (pp. 399-420). Oxford: Oxford University Press.

Aristóteles. (1998). A política. São Paulo: Martins Fontes.

Bendix, R. (1986). Max Weber, um perfil intelectual. Brasília: UnB.

Blau, P. & Scott, W. R. (1979). Organizações Formais. São Paulo: Atlas.

Booth, C. & Rowlinson, M. (2006). Management and organizational history: prospects. Management & Organizational History, 1(1), 5-30.

Caitano, D. O. & Serva, M. R. (2012). Racionalidade substantiva nas organizações: consolidação de um modelo metodológico de pesquisa teórico-empírica. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pósgraduação em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, XXXVI.

Carneiro, P. A. S. (2009). A unidade de produção familiar e os enfoques teóricos clássicos. Revista de Geografia Agrária, 4(8), 52-66.

Castro-Diaz, L. Downstream fishers and the impacts generated by the belo monte hydroelectric dam. Master’s dissertation, College of Agriculture & Natural Resources, Michigan State University, East Lansing.

Chayanov, A. V. (2014). Teoria de sistemas econômicos In: H. M. Carvalho (Org.) Chayanov e o campesinato (pp. 99-137). São Paulo: Expressão popular.

Child, J. (2012). Organização princípios e prática contemporâneos. São Paulo: Saraiva.

Diegues, A. C. (2004). A mudança como modelo cultural: o caso da cultura caiçara e a urbanização (pp. 21-48). In: A. C. Diegues (Org). A enciclopedia caiçara – volume 1. São Paulo: Hucitec.

Delagnello, E. L. & Machado-da-Silva, C. (2000). Novas formas organizacionais: onde se encontram evidências empíricas de ruptura com o modelo burocrático de Organizações? Organizações & Sociedade, 7(19), 19-33.

Dussel, E. (2002). Ética da libertação na idade da globalização e da exclusão (2a ed.). Petrópolis: Vozes.

Etzioni, A. (1971). Sociologia industrial: o estudo das organizações econômicas. In: A. Etzioni. Organizações complexas – um estudo das organizações em face dos problemas sociais. São Paulo: Atlas.

Etzioni, A. (1961). A comparative analysis of complex organizations. On power, involvement, and their correlates. New York: The Free Press of Glencoe.

Galizoni, F. M. (Org.). (2013). Lavradores, águas e lavouras – estudos sobre a gestão camponesa de recursos hídricos no Alto Jequitinhonha. Belo Horizonte: UFMG.

Guerreiro Ramos, A. (1981). The new science of organizations. Toronto: University of Toronto.

Grisa, C., Gazolla, M., & Schneider, S. (2010). A “produção invisível" na agricultura familiar: autoconsumo, segurança alimentar e políticas públicas de desenvolvimento rural. Agroalimentaria, 16(31), 65-79.

Habermas, J. (1984). The theory of communicative action – volume 1 - Boston: Beacon Press, 1984.

Hocayen-da-Silva, A. (2015). Formas não convencionais de organização: reflexões a partir das comunidades tradicionais Faxinais. Tese de doutorado, Universidade Positivo. Curitiba.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agrupecuário 2006. Recuperado em 29 fevereiro, 2016, de: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/50/agro_2006_agricultura_familiar.pdf.

Illich, I. (2005). La convicencialidad. México: Joaquín Mortiz/Planeta.

Kalberg, S. (1980). Max Weber´s types of rationality: cornerstones for the analysis of rationalization in history. American Journal of Sociology, 85(5), 1145-1179.

Koifman, S. (2001). Geração e transmissão da energia elétrica: impacto sobre os povos indígenas no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 17(2), 413-423.

Lamarche, H. (Coord). (1998). A agricultura familiar – volume 2 (2a ed.) Campinas: Unicamp

Lanna, A. D. (1972). Aspectos econômicos da organização social dos Suyá. In: E. Schaden (Org.) Homem, cultura e sociedade no Brasil – seleções da Revista de Antropologia (pp. 133-181). Petrópolis: Vozes.

Mann, S. A. (1990). Agrarian capitalism – in theory and practice. Chapel Hill: North Carolina Press.

Mattei, L. M. (2007). A relevância da família como unidade de análise nos estudos sobre pluriatividade. Revista de Estudos Rurais, 45(4), 1055-1073.

Mazoyer, M. & Roudart, L. (2010). Histórias das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: UNESP.

Parker, M., Cheney, G., Fournier, V., & Land, C. (2014). The question of organization: a manifesto for alternatives. Ephemera – Theory and Politics in Organization, 14(4), 623-638.

Parsons, T. (1956). Suggestions for a sociological approach to the theory of organizations. Administrative Science Quarterly, 1(1), 63-85.

Platão. (2002). A Republica: texto integral. São Paulo: Martin Claret.

Polanyi, K. (1980). A grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Campus.

Prestes Motta, F. C. & Bresser Pereira, L. C. (1980). Introdução à organização burocrática. São Paulo: Brasiliense.

Rotschild-Whitt, J. (1979). The colletivist organization: an alternative to rational-bureaucratic models. American Sociological Review, 44(4), 509-527.

Ribeiro, D. (1976). Os índios Urubus. Ciclo anual de subsistência de uma tribo da floresta tropical. In: E. Schaden (Org.). Leituras de etnologia brasileira (pp. 127-155). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Schaden, E. (1962). Aspectos fundamentais da cultura Guaraní. São Paulo: Difusão Européia do Livro.

Schneider, S. (Org). (2006). A diversidade da agricultura familiar. Porto Alegre: UFRGS.

Schneider, S. (2003). Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(51), 99-120.

Sell, C. E. (2013). Max Weber e a racionalização da vida. Petrópolis: Vozes.

Serva, M. R. (1996). Racionalidade e organizações: o fenômeno das organizações substantivas. Tese de doutorado, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Starbuck, W. H. (2003). The origins of organization theory. In: H. Tsoukas & C. Knudsen. (Eds.). Handbook of organization theory (pp. 143-182). Padstow: Oxford University Press.

Van der Ploeg, J. (2006). O modo de produção do camponês revisitado. In: S. Schneider (Org.). A diversidade da agricultura familiar (pp. 15-58). Porto Alegre: UFRGS

Vizeu, F. (2010). (Re)contando a velha história: reflexões sobre a gênese do management. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 780-797.

Vizeu, F. & Matitz, Q. R. S. (2012). Construção e uso de conceitos em estudos organizacionais: por uma perspectiva social e histórica. Revista de Administração Pública, 46(2), 577-598.

Vizeu, F., Seifert, R. E., & Hocayen-da-Silva, A. J. (2015). Non-capitalist organizations in Latin America: lessons from the Brazilian Faxinal grass root community. Cadernos EBAPE.BR, 13(2), 369-389.

Voegelin, E. (1982). A nova ciência da política (2a ed.). Brasília: UnB.

Weber, M. (2009). Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva (4a ed.). Brasília: UnB.

Willems, E. (1966). Antropologia social. (2a ed.). São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

Willems, E. & Mussolini, G. (2003). A Ilha de Búzios – uma comunidade caiçara no sul do Brasil. São Paulo: Hucitec.

Woortmann, E. (1995). Herdeiros, parentes e compadres: colonos do sul e sitiantes no Nordeste. São Paulo: Hucitec; Brasília: UnB.
Publicado
2018-07-24
Seção
Dossiê "Organizações Alternativas e Contra Hegemônicas"