QUANTAS ESTRELAS VOCÊ VALE? UMA ANÁLISE DA GAMIFICAÇÃO EM UM EPISÓDIO DA SÉRIE BLACK MIRROR

  • Bruno de Almeida Matos PPGA- Programa de Pós Graduação - CEFET-MG
  • Luana Jéssica Oliveira Carmo PPGA- Programa de Pós Graduação - CEFET-MG
  • Lilian Bambirra de Assis PPGA- Programa de Pós Graduação - CEFET-MG
Palavras-chave: Sociedade do consumo, Quantofrenia, Gamificação, Indústria Cultural.

Resumo

Esse artigo teve como objetivo analisar a relação entre a modernidade, sociedade de consumo e gamificação no episódio Queda Livre da série Black Mirror. A sociedade moderna é alimentada pela lógica do novo e do consumo. Nesse contexto, a utilização de games em ambientes organizacionais e educacionais surge como forma de engajar as pessoas, utilizando-se do aspecto lúdico. Entretanto, por meio da análise fílmica desse episódio foi possível refletir sobre a outra face da gamificação, a de dominação do sujeito, que se vê forçado a produzir dados incessantemente, transformando-se em um objeto, uma mercadoria.  Esse ciclo vicioso não possui fim, com a imposição da modernidade e da sociedade de consumo ditando as regras e os consumidores numa posição de passividade tentando acompanhar essa dinâmica, investindo em seu comportamento mensurável, ao comprar identidades e estilos de vida tentando alcançar uma felicidade ilusória baseada em quantas estrelas possui.

Biografia do Autor

Bruno de Almeida Matos, PPGA- Programa de Pós Graduação - CEFET-MG
Mestrando no PPGA- CEFET-MG
Luana Jéssica Oliveira Carmo, PPGA- Programa de Pós Graduação - CEFET-MG
Mestranda no PPGA- CEFET-MG
Lilian Bambirra de Assis, PPGA- Programa de Pós Graduação - CEFET-MG
Doutora e Mestre em Administração pela UFMG. Professora do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG).

Referências

Adorno, T. W. (2002). Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra.

Adorno, T. W. & Horkheimer, M. (1985). A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. In: T. W. Adorno & M. Horkheimer. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos (pp. 113-156). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Albornoz, S. G. (2009). Jogo e trabalho: do homo ludens, de Johann Huizinga, ao ócio criativo, de Domenico De Masi. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 12(1), 75-92.

Assis, L. B., Alves, C. A., Paula, A. P. P., & Martins, M. G. (2016). Bildung e a nota de 100 dólares: análise do filme “Quem quer ser um Milionário” a partir do sentido de Formação para os Frankfurtianos. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD. Belo Horizonte, MG, Brasil, IX.

Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Baudrillard, J. (2005). A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bauman, Z. (1999). Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Berman, M. (2007). Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras.

Burrel, G. & Morgan, G. (1979). Sociological paradigms and organizational analysis. London, Heineman.

Campbell, C. (2006). Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. In: L. Barbosa & C. Campbell (Orgs.). Cultura, consumo e identidade (pp. 47-64). Rio de Janeiro: FGV[

Castro, L. M. A. R. & Monticelli, J. M. (2015). A gamificação como estratégia de capacitação e o estado de flow: um estudo de caso em uma empresa da área de tecnologia da informação (TI) da região sul do Brasil. Anais do SBGames, Teresina, PI, Brasil, XIV.

Csikszentmihalyi, M. (1990). Flow: the psychology of optimal experience. New York: Harper Perennial.

Deterding, S. (2012). Gamification: designing for motivation. Interactions, 19(4), 14-17.

Dewinter, J., Kocurek, C. A., & Nichols, R. (2014). Taylorism 2.0: gamification, scientific management and the capitalist appropriation of play. Journal of Gaming& Virtual Worlds, 6(2), 109-127.

Fardo, M. L. (2013). A gamificação aplicada em ambientes de aprendizagem. Revista Novas Tecnologias na Educação, 11(1), 1-9.

Fridman, L. C. (2014). Próximos ou separados? Ideias de Giddens e Bauman sobre as motivações para a política. Lua Nova, 92, 241-271.

Fridman, L. C. (2002). Reflexividade e frieza. Anais do Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, MG, Brasil, XXVI.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias e Letras..

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006..

Hamari, J., Koivisto, J., & Sarsa, H (2014). Does gamification work? – a literature review of empirical studies on gamification. Proceedings of Hawaii International Conference on System Science. Hawaii, USA, 47th.

Huizinga, J. (1999). Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva.

Jorge, C. F. B. & Sutton, M. J. D. (2016). Games como estratégia na construção e gestão do conhecimento no contexto da inteligência organizacional. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 6(1), 103-118.

Mattar, J. & Czeszak, W. (2017). Gamificação como um novo componente da indústria cultural. Revista Intersaberes, 12(25), 60-67.

Morin, E. (2003). 1921 – a cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento (8a ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Nakamura, J. & Csikszentmihalyi, M. (2014). The concept of flow. In: M. Csikszentmihalyi. Flow and the foundations of positive psychology (pp. 239-263). Dordrecht: Springer.

Paes de Paula, A. P. (2016). Para além dos paradigmas nos Estudos Organizacionais: o Círculo das Matrizes Epistêmicas. Cadernos EBAPE. BR, 14(1), 24-46.

Paes de Paula, A. P. (2000). A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Revista de Administração de Empresas, 40(3), 101-103.

Penafria, M. (2009). Análise de filmes – conceitos e metodologia(s). In: Anais do Congresso SOPCOM, Lisboa, Portugal, VI.

Raftopoulos, M. (2014). Towards gamification transparency: a conceptual framework for the development of responsible gamified enterprise systems. Journal of Gaming & Virtual Worlds, 6(2), 159-178.

Retondar, A. M. (2008). A (re)construção do indivíduo: a sociedade de consumo como "contexto social" de produção de subjetividades. Sociedade e Estado, 23(1), 137-160.

Robson, K., Plangger, K., Kietzmann, J. H., Mccarthy, I., & Pitt, L. (2015). Is it all a game? Understanding the principles of gamification. Business Horizons, 58(4), 411-420.

Sennett, R. (1999). A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro, Record.

Simões, J., Díaz Redondo, R. P., Fernández Vilas, A., & Aguiar, A. (2013). Proposta de modelo de referência para aplicação de gamification em ambientes de aprendizagem social. Atas da Conferência Internacional de TIC na Educação. Minho, Portugal, VIII.

Shahri, A., Hosseini, M., Phalp, K., Taylor, J., & Ali, R. Towards a code of ethics for gamification at enterprise. In: IFIP WG 8.1 Working Conference on The Practice of Enterprise Modeling, PoEM 2014, 7., 2014, Manchester, UK. Proceedings..., Heidelberg: Springer, 2014. p. 235–245

Valadares, J. L., Vilas,= Boas, A. A.; Rezende, D. C.; Morel, A. P. S., & Amâncio, J. M. (2016). O "cidadão hedonista": diálogos sobre consumo e cidadania na sociedade contemporânea. Cadernos EBAPE.BR, 14(4), 966-983.

Vanoye, F. & Goliot-Lété, A. (1994). Ensaio sobre a análise fílmica. Campinas: Papirus.

Zuin, A. (2001). Á. S. Sobre a atualidade do conceito de indústria cultural. Cadernos Cedes, 21(54), 9-18.
Publicado
2018-07-24
Seção
Artigos