Percepção dos Gestores de Meios de Hospedagem sobre Sistema de Gestão Ambiental e sua Aplicabilidade

  • Fabio Vinicius de Araujo Passos Faculdade Senac Rio
  • Russencleyton Barros Costa UNIGRANRIO
Palavras-chave: Turismo, Hotelaria, Sistema de Gestão Ambiental e Sustentabilidade.

Resumo

Este estudo tem por objetivo verificar a percepção sobre sistema de gestão ambiental dos gestores de meios de hospedagem no município do Rio de Janeiro. O objetivo geral deste trabalho é identificar como a gestão ambiental está sendo percebida por estes sujeitos de pesquisa. Após a fundamentação teórica, a técnica empregada para a coleta de dados foi à entrevista longa, embasada num roteiro de 30 tópicos onde foram feitas entrevistas com 13 sujeitos (gestores de meios de hospedagem de grande porte, gerentes-proprietário de hostels e professores de turismo e hotelaria). O critério adotado para a escolha dos sujeitos foi: a) meios de hospedagem de médio e grande porte – 4 gestores; b) hostels que participam de um projeto de turismo sustentável – 4 proprietários; c) academia – 3 professores de turismo e hotelaria. Inicialmente, elaborou-se o roteiro de entrevista que foi constituído a partir de perguntas iniciais e blocos de temas diretamente relacionados aos objetivos centrais da pesquisa e que foi submetido a três pré-testes, após este período, o roteiro foi definido e aplicado nesta pesquisa. A metodologia aplicada no estudo é classificada como exploratória e qualitativa utilizando como instrumento de análise o software Atlas Ti. A análise do resultado das entrevistas realizadas foi observado à luz da análise de conteúdo e demonstra que os sujeitos revelam estar desinformados sobre o gerenciamento de um sistema de gestão ambiental em meios de hospedagem e assuntos específicos relacionados às questões ambientais, além de outras constatações. Em síntese, para que a percepção ambiental desses gestores seja efetiva, propõe-se a relação de redução de custo gerada pela gestão eco eficiente dos meios de hospedagem, sensibilização para funcionários e hóspedes através da educação ambiental.

Biografia do Autor

Russencleyton Barros Costa, UNIGRANRIO
Mestre em Administração na UNIGRANRIO, Especializado em Administração para Oficiais e graduado em Administração- Ciências Navais pela Escola Naval (2005) e cursou três semestres de Engenharia Elétrica na UFF (1999-2000). Atualmente, é Analista Pleno do Instituto Nacional de Tecnologia- MCTI e foi Oficial da Marinha (2002-2013), chegando ao posto de Capitão e atuando num Órgão de pesquisa e Reparo técnico- CMS. Tem experiência, em ambos órgãos, na prática e no ensino nas área de Administração, com ênfase em logística e gestão da produção, economia, finanças, patrimônio, contabilidade, estratégia, administração e o controle interno. Utilização de métodos determinísticos e probabilísticos, cálculo diferencial, para o Abastecimento, Controle e Inventário dos itens de suprimento essenciais às pesquisas do Centro de Pesquisa e Reparo- Centro de Manutenção de Sistemas da Marinha. Atualmente pesquisa inovação, governança corporativa, cultura organizacional, estratégia, finanças, competitividade e empreendedorismo na nação e nas organizações.

Referências

Eagly, A. H., & Chaiken, S. (1993). The psychology of attitudes. Harcourt Brace Jovanovich College Publishers.
Dalal–Clayton, B., & Bass, S. (2002). Estrategias de desarrollo sostenible. Libro de consulta. Nueva York, Estados Unidos, OCDE/PNUD.
de Ávila Leripio, A., de Souza Campos, L. M., & Selig, P. M. (2009). O papel da percepção na educação e desempenho ambiental das organizações: uma discussão sobre o tema. Revista Contrapontos, 3(1), 119-129.
da Silva, A. L., de Melo, I. V., & de Lucena, D. R. (2017). Auditoria interna de sistema de gestão ambiental: estudo de caso no Verdegreen Hotel.
de Oliveiraa, O. J., & Serrab, J. R. (2010). Benefícios e dificuldades da gestão ambiental com base na ISO 14001 em empresas industriais de São Paulo. Produção, 20, 429-citation_lastpage.
Highlights, U. T. (2001). 2016 Edition.
Intemational Chamber of Commerce (ICC). PrincipIes for environmental management. Paris, ICC, 1994.
McCracken, G. (1988). The long interview (Vol. 13). Sage.
Organização Mundial de Turismo. Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. Tradução de Sandra Netz. Porto Alegre: Bookman, 2003. 168p.
Petrocchi, M. (2001) Hotelaria: planejamento e gestão. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.
Pistorello, J., Conto, S. M., & Zaro, M. (2015). Geração de resíduos sólidos em um restaurante de um Hotel da Serra Gaúcha, Rio Grande do Sul, Brasil. Eng. sanit. ambient, 20(3), 337-346.
Riocepetur. Estudo da oferta hoteleira para 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2017.
Rues, E. H. (1995). Eco-hotel management: conciencia ecológica en la administración hotelera. Grupo Editorial Iberoamericana.
Sinay, L., de Sinay, M. C. F., & de Barros Pena, I. A. (2014). Parque Natural Municipal da Paisagem Carioca: ecoturismo e sustentabilidade. Capa, 7(3).
Tachizawa, T. (2004). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: Estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. São Paulo: Atlas, 2004.
Tachizawa, T., & de Andrade, R. O. B. (2008). Gestão socioambiental: estratégias na nova era da sustentabilidade. Elsevier.
Umaña, S. A. (2002). Las representaciones sociales: ejes teóricos para su discusión. Flacso (Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales).
Vasco, A. P., & Zakrzevski, S. B. (2010). O estado da arte das pesquisas sobre percepção ambiental no Brasil. Revista perspectiva, 34(125), 17-28.
World Health Association. Division of Mental Health. Qualitative R
Publicado
2018-09-14