Estado, Empresariado e Política Industrial: O caso das políticas industriais brasileiras no período 2004 - 2014

  • Igor Vallinote Veloso Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Política industrial, Autonomia Inserida, Empresariado

Resumo

Na última década o governo brasileiro inicia a prática de políticas industriais de cunho setorial, em que ao mesmo tempo que denotavam diretrizes desenvolvimentistas por parte do governo, também foram marcadas pela ausência de resultados concretos. E sendo a política industrial um tópico dotado de dificuldades em torno de seu debate, o seguinte trabalho busca aprofundar em questões relativas a forma sob a qual o Estado consegue ser um agente ativo no processo de transformação da estrutura econômica. Para que no fim, se possa analisar o período de 2004 a 2014, em que o governo brasileiro executou políticas industriais setoriais.

Biografia do Autor

Igor Vallinote Veloso, Universidade Federal de Minas Gerais
Estudante de Relações Econômicas Internacionais - UFMG

Referências

ALBUQUERQUE, Eduardo da Motta. Apresentação do artigo "The National System of Innovation in Historical Perspective". Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, v. 3, n.1, p. 9-13, 2004.
ALMEIDA, Mansueto. O Novo Estado Desenvolvimentista e o Governo Lula. Revista Economia & Tecnologia, ano 7, Curitiba. 2011. Edição Especial.
BIANCHI, Alvaro. Um Ministério dos Industriais: A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo na crise das décadas de 1980 e 1990. Campinas: Unicamp. 2010.
BRASIL MAIOR: INOVAR PARA COMPETIR. COMPETIR PARA CRESCER. Plano 2011/2014. Brasília. 2011. Disponível em: . Acesso em 29 de dezembro de 2016.
CANO, Wilson; SILVIA, Ana Lucia Gonçalves. Política industrial do governo Lula. Texto para Discussão n. 181, UNICAMP, Campinas, jul. 2010 .
CHANG, Ha-Joon. (1994) The political economy of industrial policy. Reprinted (with alterations). New York: St. Martin's Press; London: Macmillan, 1996. xvii, 1996, 184 p.
DE NEGRI, Fernanda; ALMEIDA, Mansueto. (Org.). Estrutura produtiva avançada e regionalmente integrada: Desafios do desenvolvimento produtivo brasileiro. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, livro 5, v. 1, IPEA, 2010.
DE TONI, Jackson. A retomada da política industrial na agenda federal: a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior, a PITCE. In: ABDI. Os desafios da Política Industrial Brasileira, uma contribuição da Agência de Desenvolvimento Industrial, Brasilia: ABDI, 2016
DELGADO, I. G.. Desenvolvimento, empresariado e política industrial no Brasil. In: LEOPOLDI, M. A.; MANCUSO, W. P.; IGLECIAIS, W. (Org.). Estado, Empresariado e Desenvolvimento no Brasil: Novas Teorias, Novas Trajetórias. 1ªed.São Paulo: Editora de Cultura, 2010, v. , p. 115-141.
DINIZ, Eli. Crise, Reforma do Estado e Governabilidade. Rio de Janeiro: FGV, 1997. 227p.
______. Empresariado industrial, representação de interesses e ação política: trajetória histórica e novas configurações. Política & Sociedade, 9(17), p. 101-139. 2010
______. Desenvolvimento e Estado desenvolvimentista: Tensões e Desafios da Construção de um novo modelo para o Brasil do século XXI. Revista de Sociologia e Política v.21, nº47, p. 09-20, set. 2013.
DINIZ, Eli; BOSCHI, Renato. A Difícil Rota do Desenvolvimento: Empresários e a agenda pós-neoliberal. Belo Horizonte: Editora UFMG 2007. 185p.
DOSI, Giovanni. Institutions and markets in a dynamic world, The Manchester School, 56 (2) p. 119-46. 1988.
EVANS, P. The state as problem and solution: predation, embedded autonomy and structural change. In: HAGGART, S.; KAUFRNAN, R.(Org.). Politics of Economic Adjustment. Princeton University Press, 1992. p. 138-181.
______. Embedded Autonomy – States and Industrial Transformation. Princeton: Princeton University Press, 1995. 323p.
GOVERNO FEDERAL. Diretrizes de Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior. Brasília, 26 Nov 2003. Disponível em: . Acesso em: 29 de dezembro de 2016.
______. Política de Desenvolvimento Produtivo: inovar e investir para sustentar o crescimento. Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em 29 de dezembro de 2016.
ITOH, Motoshige; et al. Economics analysis of industrial policy. San Diego, CA.: Academic Press. 1991. 282p;
LAPLANE, Mariano; SARTI, Fernando. Prometeu acorrentado: o Brasil na indústria mundial no início do século XXI. In: CARNEIRO, R. (Org.). A Supremacia dos Mercados e a Política Econômica do Governo Lula. São Paulo: Editora Unesp. 2006. 352p.
NAUDÉ, Win. Industrial Policy: Old and New Issues. Working Paper No. 2010/106, United Nations University, World Institute for Development Economics Research, set. 2010.
OREIRO, José Luis; FEIJÓ, Carmem A. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, vol. 30, nº 2 (118), pp. 219-232, abril-junho/2010
PERES, Wilson; PRIMI, Annalisa. Theory and practice of industrial policy. Evidence from the Latin American experience. Santiago: CEPAL, (Série Desarrollo productivo, n. 187). 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2016.
RODRIK, Dani. Industrial policy for the twenty-first century. Harvard University. Discussion Paper 4767. Center for Economic Policy Research. nov. 2004.
______. Industrial Policy: Don‘t Ask Why, Ask How, Middle East Development Journal, v. 1, n. 1, p. 1-29, 2008.
SHAPIRO, Mario Gomes. Ativismo Estatal e Industrialismo Defensivo: Instrumentos e Capacidades na Política Industrial Brasileira. Texto para Discussão Nª 1856. Rio de Janeiro: IPEA, 2013.
SINGER, André. Os Sentidos do Lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 276p.
______. Cutucando onça com a vara curta: o ensaio desenvolvimentista no primeiro mandato de Dilma Rousseff. Novos Estudos, v. 102, jul. p. 43 – 71, 2015.
STEIN, Guilherme de Queiros. Capacidades Estatais e Políticas Públicas: Análise das Políticas Industriais Brasileiras no Século XXI. In: I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIA POLÍTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, 1., 2015, Porto Alegre. Anais...., 2015. p. 79 - 104. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.
SUZIGAN, Wilson; FURTADO, João. Política Industrial e Desenvolvimento. Revista de Economia Política, vol. 26, nº 2 (102), pp. 163-185 abril-junho/2006
SUZIGAN, Wilson.; VILLELA, A. V. Industrial Policy in Brazil. Campinas: Unicamp/Fapesp. 1997. 236p.
TAPIA, J.R.B.; GIESTEIRA, L.F. Estado e Instituições no desenvolvimento econômico de países retardatários: limites e potencialidades de novas abordagens. In: LEOPOLDI, M. A.; MANCUSO, W. P.; IGLECIAIS, W. (Org.). Estado, Empresariado e Desenvolvimento no Brasil: Novas Teorias, Novas Trajetórias. 1ªed.São Paulo: Editora de Cultura, 2010,, v. , p. 59-90.
TEIXEIRA, Rodrigo Alves; PINTO, Eduardo Costa. A economia política dos governos FHC, Lula e Dilma: dominância financeira, bloco no poder e desenvolvimento econômico. Economia e Sociedade. Campinas, v. 21, n. spe, p. 909-941, Dec. 2012.
VILLELA, André; CORREA, Paulo Guilherme. Fundamentos teóricos da política industrial. Revista do BNDES, v.2, n. 3, p 27-67, jun. 1995.
WARWICK, Ken. Beyond Industrial Policy: Emerging Issues and New Trends, OECD Science, Technology and Industry Policy Papers, No. 2, OECD Publishing. p. 1-56. 2013
Publicado
2018-07-05
Seção
Artigos