Efeito dose resposta do fundo constitucional de financiamento do centro-oeste (FCO) no estado de Goiás

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Guilherme Resende Oliveira
Rafael Terra Menezes
Guilherme Mendes Resende

Resumo




O estudo avalia o Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) no Estado de Goiás entre os anos de 2004 e 2011 por meio dos microdados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), e dos empréstimos do Programa Empresarial do FCO. Os impactos dos financiamentos no crescimento do emprego e salários das empresas instaladas no Estado foram estatisticamente significantes e positivos. Os métodos utilizados foram o propensity score matching (PSM) e o propensity score generalizado (PSG), que trata a variável tratamento como contínua, portanto, verifica os efeitos heterogêneos ao invés do impacto médio. Ademais, o efeito dose indica que o valor do empréstimo influencia na quantidade de empregos gerados, assim como na variação dos salários. As evidências apresentadas sugerem novos padrões de heterogeneidade no efeito do programa e complementam os resultados previamente encontrados na literatura.




##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
OLIVEIRA, G. R.; MENEZES, R. T.; RESENDE, G. M. Efeito dose resposta do fundo constitucional de financiamento do centro-oeste (FCO) no estado de Goiás. Nova Economia, v. 28, n. 3, 20 jun. 2017.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Guilherme Resende Oliveira, UniAlfa

Doutor (2016) em Economia pela Universidade de Brasília. Mestre (2011) e graduado em Economia pela Universidade de Brasília (2008). É pesquisador em Economia do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos, vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão do Governo do Estado de Goiás, e professor do IPOG. Foi professor substituto da Universidade de Brasília, professor-tutor da UAB (Universidade Aberta do Brasil) e da ENAP (Escola Nacional de Administração Pública).

Rafael Terra Menezes, Universidade de Brasília - UnB

Professor Adjunto na Universidade de Brasilia. Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo (2003), mestrado em Economia Aplicada/PPGE/FEARP/USP pela Universidade de São Paulo (2006) e Doutorado em Economia pela EESP-FGV com período sanduíche na University of Illinois no perído de agosto de 2010 a julho de 2011. Desenvolve trabalhos de Econometria aplicada em Economia do Setor Público, Economia da Educação e Avaliação de Políticas públicas.

Guilherme Mendes Resende, Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE)

Economista-chefe do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), Brasília, DF, Brasil. É PhD em economia regional pela London School of Economics and Political Science (LSE-University of London) (2011), economista, advogado, e possui mestrado em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG (2005). É pesquisador concursado do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) desde 2004. Atualmente, é Diretor-adjunto da Diretoria de Estudos Regionais, Urbanos e Ambientais (DIRUR/IPEA). Foi Coordenador de Estudos Regionais da DIRUR/IPEA entre 2013-2014. Tem experiência na área de planejamento e desenvolvimento regional e urbano e avaliação de políticas públicas, tendo vários trabalhos publicados em revistas acadêmicas nacionais e internacionais. Foi ganhador de vários prêmios nacionais e internacionais, entre eles o Prêmio BNB de Economia Regional 2015, o Prêmio SBE Finanças 2015 (2º lugar), o Prêmio Paulo Haddad 2011 da Associação Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos e o Prêmio Epainos 2009 da Associação Européia de Ciência Regional (ERSA). É membro do Conselho Editorial da Revista Econômica do Nordeste-REN. Possui mais de 70 trabalhos publicados no Brasil e no exterior.