A dinâmica da taxa de câmbio face às operações swap no Brasil (2002-2015) uma interpretação pós-keynesiana

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Leandro Vieira Lima Araújo
Fábio Henrique Bittes Terra

Resumo




Investiga-se, à luz da teoria pós-keynesiana, o comportamento da taxa de câmbio no Brasil face as intervenções com swaps cambiais do Banco Central de 2002 a 2015. Analisam-se as propriedades de uma economia aberta, as condicionantes da taxa de câmbio, o mercado cambial e a inserção do Brasil no sistema monetário internacional. Afere-se empiricamente o comportamento cambial frente às operações swap por meio de modelos ARCH/GARCH e VAR. Com os primeiros, observa-se a volatilidade das taxas de câmbio nominal e real efetiva, cujos resultados apontam presença de volatilidade no período. Em seguida, realizam-se estimações VAR, para estudar a variância das taxas de câmbio ante os swaps e variáveis relevantes ao comportamento cambial, concluindo-se que os swaps são respostas ao comportamento da taxa de câmbio nominal, embora seus efeitos são mais visíveis sobre a taxa de câmbio real efetiva.




##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ARAÚJO, L. V. L.; TERRA, F. H. B. A dinâmica da taxa de câmbio face às operações swap no Brasil (2002-2015). Nova Economia, v. 28, n. 3, 3 abr. 2017.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Leandro Vieira Lima Araújo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aluno do curso de doutorado, linha economia do desenvolvimento, do Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Fábio Henrique Bittes Terra, Universidade Federal do ABC

Professor Adjunto da Universidade Federal do ABC.